2º Passo

“2. Viemos a acreditar que um Poder Superior a nós mesmos poderia devolver-nos à sanidade.”

Quem é esse Poder Superior? Para alguns será Deus. Para alguns será a Vida. Alguns decidirão à sua maneira. O importante será: admitimos que sofremos e decidimos acreditar que exista ajuda para frear a dor. Admitimos a impotência em resolver nossos assuntos à nossa maneira e escolhemos nossa própria fonte de ajuda, um Poder Superior.Admitimos a falta de domínio sobre nossas vidas e passamos a nos orientar segundo um Poder Superior para nos reconduzir à sanidade.

O grande problema é que ao mesmo tempo em que a dependência ou nossa instabilidade emocional se tornou um problema grave; foi através dela também que foi elaborado todo um cotidiano, pensamentos, convivências, lembranças, valores, associação de sentimentos, hábitos e comportamentos ao longo de todo o período em que se esteve envolvido com tais situações. Ao livra-se de tudo isso tudo o que a pessoa se defronta é com um absoluto e devastador vazio, em uma situação depressiva em que reina o pensamento “o que sobrou de minha vida?” Acreditaremos em Deus ou definharemos. Decidimos acreditar. Passamos a acreditar que um Poder Superior à nós (Deus, Vida…) nos auxiliará. Nossa sanidade dependerá desse voto de confiança.

Ninguém decidiu por nós buscar por uma ajuda; nós decidimos. Ninguém decidiu por nós a forma como esse Poder Superior entrará e nos guiará em nossas vidas, nós decidimos. Perdemos nossa sanidade, frequentemente, tomando sozinhos decisões que vemos reproduzidas diariamente em sociedade: família, amigos, conhecidos, pessoas nas ruas, personalidades na mídia e personagens em histórias de ficção. Para nos adequar a essas demandas sociais, desenvolvemos um ego e atitudes que nos proporcionaram uma personalidade específica entre a multidão. E esse binômio ego-personalidade (nossas manifestações ao mundo exterior) nem nos integrou à felicidade conforme o prometido devido às nossas próprias falhas e carências e nem sequer nos permitiu elaborar nossa felicidade pessoal pautada na especificidade de nosso caráter, de nosso Eu superior (nosso mundo interior).

Agora passa a ser diferente: buscamos sistematicamente por decisões de âmbito pessoal pautadas segundo reflexão de um Poder Superior à nós (seja Deus ou a Vida ou outra opção) ainda que destoe do que o “senso comum” pratique. Já sabemos até onde isso nos conduziu. Não queremos retornar até lá. Queremos nossa sanidade de volta (ou obtê-la pela primeira vez em nossas vidas) segundo a orientação de um Poder Superior que saiba o que realmente necessitamos individualmente para sermos realizados de fato.

Neste Passo escolhemos parar a nossa dor, de livre e espontânea vontade: abraçamos a esperança em poder mudar.

Sugestão de Ferramenta de Recuperação:
Iniciar a leitura de pelo menos um livro-texto de sua sala específica.

%d blogueiros gostam disto: