Arquivo da tag: dependencia

Hábitos, Compulsões e Vícios

Por Flávio Gikovate

Falta muito para que possamos dizer que conhecemos os detalhes do funcionamento do psiquismo humano. O que é fato é que uma boa parte das nossas ações parecem governadas por um “piloto automático”: em muitos casos, agimos de forma automática; e reagimos a determinadas situações sem que necessitemos pensar acerca do que fazer.

Os movimentos que fazemos ao dirigir o carro são todos sincronizados e não exigem reflexão, assim como as reações que temos diante de um problema inesperado no meio do percurso que estamos realizando. Muitas vezes só nos conscientizamos de algo depois do ocorrido, como se, diante do susto, o piloto automático tivesse se desligado! Fazemos o mesmo ao escovar os dentes, ao nos movimentarmos durante o banho, nos enxugarmos, assim como em tantas outras condições que se repetem com regularidade em nossas vidas

Chamamos de hábitos aos comportamentos, não inatos, que se tornam repetitivos e fixos. Ao que tudo indica, eles se consolidam na nossa memória, criando um caminho sólido no sistema nervoso, de modo que, em cada dada situação, respondemos do modo que foi padronizado.

Uma vez criado um hábito, que é um tipo de reflexo condicionado que se estabelece em função das repetições, fica muito difícil desfazê-lo. Temos facilidade para associar (condicionar) e enorme dificuldade para dissociar, desfazer essas conexões cerebrais que se fixam com vigor.

Se um dia nos habituamos a comer depressa, temos enorme dificuldade de reaprender e passar a comer mais devagar, mastigando bem os alimentos. Se um dia nos habituamos a cruzar as pernas ao sentar, o movimento nos chega automaticamente mesmo quando já sabemos da necessidade de nos livrarmos dele por força de algum problema de postura. Precisamos de atenção redobrada, de enorme empenho constante e prolongado, para conseguirmos nos livrar de nossos condicionamentos.

As compulsões correspondem a hábitos específicos que se perpetuam apesar de terem um caráter frequentemente inconveniente ou mesmo nocivo. São exemplos de compulsões o ato de roer as unhas, os variados tipos de automutilação, como por exemplo se ferir com as próprias unhas, assim como os transtornos obsessivo-compulsivos (TOC).

O que os caracteriza, a meu ver, é uma propriedade muitas vezes difícil de ser detectada, qual seja, a de que provocam uma redução de ansiedade: se alguém está muito nervoso e desenvolveu a compulsão de roer as unhas, será nessa hora que o fará, posto que isso provocará uma melhora do estado emocional.

Em uma frase: as compulsões provocam um tipo especial de prazer, chamado por Schopenhauer de “prazer negativo”, que se caracteriza pela existência de um desconforto inicial que se atenua através da realização do ato compulsivo; ele provoca um tipo de prazer parecido com o que nós sentimos quando, com frio, nos agasalhamos, com sede, bebemos água…

Os rituais repetitivos do portador de TOC aliviam uma ansiedade que só se esvai por esse meio. A compulsão por arrancar os cabelos (tricotilomania) só se perpetua por ter se transformado em “remédio” para a ansiedade que acompanha aquela pessoa em determinadas situações.

As compulsões alimentares ligadas à ingestão exagerada de comida (ou de certos doces) seguem o mesmo trajeto: apaziguam a sensação de desamparo que nos maltrata em determinados momentos do dia ou da semana.

Aquelas ligadas à recusa em se alimentar (anorexia) parecem relacionadas inicialmente ao prazer de se ver magra, que depois se transforma em algo mais complicado, onde o ato de comer aparece como a quebra de um ritual que alivia certas tensões, além de fazer bem à vaidade.

As compulsões alimentares são mais complexas porque, além do alívio da sensação dolorosa de desamparo, trazem consigo também um “prazer positivo”, sensação agradável que não depende da presença de um desconforto prévio.

O doce ou o chocolate são experiências agradáveis mesmo na ausência de qualquer desconforto! Esse tipo de compulsão já tem um pé naquilo que se chama de vício.

O vício costuma estar ligado a um fortalecimento ainda maior das conexões neuronais típicas dos hábitos, pois, no cérebro, se estabelecem outros trajetos típicos da dependência química.

Desnecessário dizer das dificuldades das pessoas para se livrar deles, posto que, ao menos numa primeira fase, provocam enorme prazer, sendo que os efeitos nocivos só costumam aparecer depois de muito tempo.

Nem todos os vícios implicam dependência química, porém todos têm a ver com a presença de um prazer positivo, um bem-estar inicial: consumismo desvairado, excesso de trabalho… É preciso cautela, pois não é difícil nos vermos enredados em algumas dessas situações. E, para sairmos, necessitamos, na maior parte das vezes, de uma força hercúlea!

Original: http://flaviogikovate.com.br/habitos-compulsoes-e-vicios/

Anúncios

Ser Mulher e Dependências

Meditações Diárias para Mulheres que Amam Demais, Robin Norwood, 5 de Agosto: “Nossa cultura na verdade encoraja nas mulheres a dependência de relacionamento e reprova aquelas que não pensam, sentem e agem de acordo com esses moldes.”

Oito de março, tornado Dia Internacional da Mulher em memória das operárias mortas em um incêndio durante uma greve no início dos movimentos trabalhistas e feministas. Seria possível repetir muito do que já foi falado desde então. Mas essa é uma página dedicada ao Programa de Doze Passos baseado em Alcoólicos Anônimos enquanto célula-mãe. Se a mídia e os movimentos sociais denunciam que há muito por mudar para a igualdade entre os gêneros no século XXI, quem vive a recuperação das mais diversos tipos de dependências (químicas, comportamentais, emocionais) sabe ainda – também por muitas vezes associar a recuperação à terapia tradicional – que o aspecto da recuperação espiritual pode ser bastante (mais) árduo para as mulheres.

Quando a mulher inicia sua reabilitação, como se internar voluntariamente quando há filhos em casa para criar? Como priorizar a compra de remédios quando seus filhos têm outras demandas também importantes? Como tomar remédio para dormir (contra insônia) se dormir sozinha ou com crianças pequenas sob seus cuidados? Como ir à reuniões de irmandades anônimas – mesmo sendo gratuitas – se não tiver quem cuide de suas crianças para poder sair de casa por pouco mais de 2 horas? Como ir à terapia ou comprar livros ou reuniões de irmandades anônimas – mesmo sendo gratuitas – se não tiver renda própria suficiente para ao menos pagar por um ônibus? Quando as cuidadoras requerem cuidados, quem cuida delas?

1 – Dependências Químicas

1.1 – Alcoólicos Anônimos: Tradicionalmente o grupo reúne homens em sua maioria, mas muitas mulheres também recorrem à AA com histórico de descontrole em relação ao álcool de modo geral devido a traumas infantis (abandono, agressões, abuso sexual e emocional, etc) ou associados a relacionamentos abusivos.

1.2 – Narcóticos Anônimos: Também tradicionalmente tende a reunir mais homens, mas muitas mulheres também recorrem à NA com histórico de abuso em relação às drogas devido geralmente a traumas infantis ou associado a relacionamentos abusivos.

1.3 – Fumantes Anônimos: Impossível não relacionar o vício em nicotina ao glamour estimulado nas mulheres desde jovens por imagens de divas hollywoodianas e mulheres/modelos/personagens socialmente rotuladas como sexys ou misteriosas segurando cigarros.

1.4 – Grupos Familiares Nar-Anon:
1.5 – Grupos familiares Al-Anon:
1.6 – Alateen:
1.7 – Amor Exigente:
Quando os familiares vão mal, não são justamente as mulheres que investigarão opções de tratamentos, coberturas de planos de saúde, descobrirão as salas de mútua ajuda e terão aquela “conversa séria” para que uma recuperação de inicie?

2 – Dependências Comportamentais

2.1 – Comedores Compulsivos Anônimos: Tradicionalmente o grupo reúne mais mulheres, que recorrem à CCA com histórico de descontrole em relação à comida devido a traumas infantis ou porque passaram a utilizar a alimentação compulsiva como um “amortecedor” para relacionamentos (familiares, sexo-afetivos, profissionais, etc) aos quais não conseguem se emancipar.

2.2 – Devedores Anônimos:
2.3 – Jogadores Anônimos:
Ser mulher é para muitas culturalmente desde cedo ser estimulada a escolher profissões de apoio (enfermagem, ensino com crianças, cuidadoras, etc) que muito exigem e pouco retribuem; ou veladamente serem estimuladas a abandonar suas carreiras para priorizar o ambiente doméstico sob títulos pomposos porém ingênuos como os “mãe exclusiva”. Quantas e quantas mulheres não vivem na dependência financeira (pensões, planos de saúde e previdência) e material (imóveis, heranças) deixados por pais ou ex-relacionamentos que alimentam a ideia do trabalho feminino ser desnecessário? O mesmo valendo para a interrupção de estudo por razões de casamento ou gravidez. Isso pode ser um grave fator de complicações diante de eventuais reveses da vida que possam surpreendê-las quando não desenvolveram habilidades essenciais ao trabalho e estão habituadas a viver completamente despreparadas ao autossustento.

3 – Dependências Emocionais

3.1 – Mulheres que Amam Demais Anônimas: Único grupo anônimo exclusivamente feminino no Brasil. As mulheres recorrem à MADA quase sempre com histórico de depressão severa devido a relacionamentos sexo-afetivos abusivos (com homens ou às vezes com outras mulheres).

3.2 – Ciumentos Anônimos
3.3 – Codependentes Emocionais Anônimos
3.4 – Dependentes de Amor e Sexo Anônimos
3.5 – Emocionais Anônimos
3.6 – Introvertidos Anônimos
3.7 – Neuróticos Anônimos
Muitas das vezes ser mulher é praticamente possuir a literatura endossada de tais irmandades como trechos perfeitos da própria autobiografia.

Meditações Diárias para Mulheres que Amam Demais, Robin Norwood, 21 de Abril: “Não é o que dizemos a nossas filhas, mas o modo como nos sentimos e agimos o que fornece as instruções instintivas do que é ser mulher. Embora nossa recuperação da dependência de relacionamento não garanta que elas repetirão nosso exemplo, essa ainda é a melhor maneira de evitar que façam o mesmo. Na verdade, o melhor presente de uma mãe com dependência de relacionamento para sua filha é a própria recuperação progressiva. Não é reconfortante saber que quanto mais cuidamos de nós, mais criamos oportunidade para que todas as pessoas ao nosso redor sejam verdadeiramente saudáveis e felizes?”