Arquivo da tag: programação

Nono Passo – Setembro

Nono Passo do programa de recuperação de AA –  “9. Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-las significasse prejudicá-las ou a outrem”.

Feito o oitavo passo de AA, uma lista de todas as pessoas a quem possamos ter prejudicado de alguma forma – mesmo que este prejuízo tenha sido intangível, da esfera do moral ou emocional – passaremos ao nono passo: realizar reparações.

Algumas sugestões de reparação para o Passo 9 estão listada em outro texto aqui do site Grupos Doze Passos. São formas diretas de reparação: enviar uma mensagem por escrito, uma gravação de áudio, um telefone, um encontro, um pedido de desculpas levado por outra pessoa em comum. Mas se  o contato com tais pessoas puder causar novos transtornos ao invés da intenção de encerrar pendências, essa escolha precisará ser readaptada na forma de reparações indiretas. Seria possível doar algo para uma terceira pessoa ou instituição ao qual a quem desejamos reparar se importaria. Por exemplo: se sei que a pessoa a quem quero reparar meu dano causado seja voluntário de um determinada ONG X eu doarei algo para a mesma ONG X, independente de minha crença em tal instituição ou não. Ou posso doar (tempo, objetos ou dinheiro) para pessoas carentes mentalizado os objetivos do nono passo. Enfim, realizamos o Passo 9 com o propósito maior de limparmos o peso do assunto de nossa alma, perdoarmos a nós mesmos por termos agido mal e libertar a outra pessoa de qualquer desavença conosco.

O nono passo é transformador demais para ser negligenciado.

Oitavo Passo – Agosto

Oitavo Passo do programa de recuperação de AA –  “8. Fizemos uma relação de todas as pessoas a quem tínhamos prejudicado e nos dispusemos a reparar os danos a elas causados”.

No momento em que escrevo, integro salas de recuperação anônimas há pouco mais de 4 anos. Não é pouco. E digo que nunca, nunca mesmo, o oitavo e o nono passo sejam citados espontaneamente por quem quer que seja. O 8º e o 9º Passo são lembrados conforme avança o ritmo de leitura dos livros e roteiros de leitura em sala, ou seja, por pura obrigação e acaso de quando seja o “dia deles”. E, claro, não dá para reclamar. Lê-se. Poucos dedos se levantam para comentar. Prossegue-se uma reunião um tanto tímida. Relato porque já vi acontecer, mais de uma vez. Então, porque os Passos 8 e 9 incomodam tanto?

Se entramos em uma sala de terapia de grupo buscando ajuda contra todo o mal que nos fizeram ou porque temos tantos problemas, tais passos subitamente nos “removem o cobertor da negação sob o qual nos aprendemos a nos esconder” como diz a autora endossada Melody Beattie. Trocamos de cadeira contra quem acusávamos e agora temos de responder a quem causamos problemas no papel não de vítima – esse aí já praticamos tanto que talvez o confundamos com nossa própria identidade. Mesmo sendo uma etapa pessoal, pois não somos obrigados pelo programa a sair contando nada a ninguém, isso nos retira da zona de conforto do papel da vítima / vitimismo sem nenhum rodeio. Acusávamos livremente outras pessoas e agora o dedo está apontado para nós. E agora? Vítimas causam danos? Somos só vítimas mesmo? Ou há algo a ser descoberto e curado em nós para curarmos a outros a quem ferimos de algum modo? Isso tudo parece nos remeter a uma difícil palavra… perdão.

Oitavo passo. Podemos fazê-lo imediatamente. Podemos procrastinar. Nem é difícil imaginar como a segunda opção é quase sempre mais ouvida. A literatura endossada nos lembra: é importante fazer. Nossa madrinha ou padrinho nos cobra. Mas ouvimos nas salas: “ainda não fiz, porque não tenho coragem”. O que o oitavo passo nos pede é apenas uma relação de pessoas e situações em que fomos nós mesmos os causadores de uma tipo de problema ou prejuízo. Se encararmos dessa maneira, talvez ganhemos mais coragem em realizar essa etapa integrante de nossa recuperação.

73. Errar é humano e na vida só não errou quem nada fez! – Lema de AA

Sétimo Passo – Julho

Sétimo Passo do programa de recuperação de AA –  “7. Humildemente rogamos a Ele que nos livrasse de nossas imperfeições”.

Ao adotarmos um programa como o de Doze Passos, pessoalmente e talvez também na esfera familiar e social, seremos cobrados por ações e atitudes. Começamos a frequentar as salas anônimas, estamos conhecendo outras pessoas em situações parecidas com as nossas (a quem assumiremos como “espelhos” de nossa recuperação), adquirimos a literatura endossada e tudo isso é visível. Estamos agindo.

Aí, bem no centro dos Doze Passos de AA, encontramos o sétimo passo com sua orientação “humildemente rogamos a Ele que nos livrasse de nossas imperfeições”. Haveria um limite para agir? Haveria um limite para mudar? Se o Programa nos promete a serenidade através de uma mudança de consciência e atitudes, porque incluir um passo que nos requer paciência e até mesmo uma passividade em “rogar” algo – mesmo que seja a um Poder Superior?

As mudanças tratadas nas reuniões anônimas são de amplo espectro e profundidade espiritual. Mudar uma adicção, um comportamento nocivo ou desequilíbrios emocionais são algo que vão muito além de nossa boa intenção ou boa vontade. Se o caso for, por exemplo, algo que a palavra “mudança” nem sequer seja possível, mas “adaptação” sim. Não é como mudar de estilo de roupa ou de casa ou de emprego. É como estar mudando a essência de si mesmo!

Se você acredita que já fez muito na Programação e os resultados obtidos não estão alcançando as expectativas, talvez esse seja o momento de uma pausa nas cobranças pessoais. A hora de dizer: “Poder Superior, me mostre uma direção a seguir”. Observe: onde chegar em sua recuperação continua inteiramente a ser de sua responsabilidade definir. Mas o como… às vezes é misterioso. As possibilidades podem ser muitas ou até mesmo infinitas, mas qual delas nos cabe? Precisamos observar atenciosamente nossos resultados obtidos até então para descobrir: o que vem sempre dando certo e o que não “vingou” de jeito nenhum.

Nossas imperfeições – seja um vício, comportamento ou emocional – se construíram ao longo das décadas de nossa vivência e não serão desfeitas porque lemos um “meme” em uma rede social. Estamos falando de mudar escolhas, hábitos e uma identidade muito arraigada à qual ainda vivemos mesmo que venhamos reduzindo ou evitando tais recursos. Porém, nossa família, amigos e conhecidos ainda nos associará ao nosso “velho eu”, testando nossa paciência e limites. Quando lemos notícias, ouvimos músicas,  assistimos tv ou filmes as mensagens da mídia são muitas vezes repetições daquilo que estamos nos auto-educando a abandonar. Não tem como “mudar” não ser mais lento do que gostaríamos.

A vantagem de seguir os 12 passos, é que mesmo devagarinho, um dia percebemos ou alguém nos diz. “Nossa, quanta mudança”. O sentimento de gratidão encerra a jornada ou pelo menos essa parte do caminho.

#acreditenospassos #acreditenops #acrediteemvocê

Notas sobre a Aceitação

Este mês, junho de 2018, completo 4 anos em salas anônimas do programa de doze passos para reabilitação de uma depressão que sofri no ano de 2014. Logo que comecei a frequentar o programa algumas coisas que me iam sendo apresentadas me chocavam profundamente:

  • Porque EU estava ali? Eu sempre havia sido uma pessoa certinha e seguido as regras sociais. Tudo o que fiz e realizei na vida era muito similar ao que a maioria das outras pessoas ao meu redor também haviam feito e realizado. Por que afinal meus resultados eram tão diferentes e desastrosos? Porque semeei “igual” na vida e agora colhia tão diferente, meu Deus?
  • Pesquisei sobre uma determinada sala anônima e comecei a frequentá-la por livre e espontâneo desespero de não saber bem o que fazer mas reconhecer que precisava de alguma ajuda.
  • Me lembro do choque inicial de começar a ouvir tantas expressões e jargões aos quais nunca havia ouvido falar. “Onde essa gente se esconde quando não está aqui”, eu pensava. Durante a vida eu havia lido tantos livros e revistas, assistido tanta tv e filmes, como eu podia não conhecer nada daquilo?
  • Mas nada me fazia ferver mais de ódio e indignação do que cada companheir@ que se aproximava amorosamente de mim e tentava me falar algo sobre “aceitação”. “Quem quer saber desse lixo de aceitação” eu pensava. Era algo impossível, muito além de minha compreensão. “Se fosse pra ter aceitação eu nem teria saído de casa”.
  • Mas como continuava sem saber que fazer e querendo melhorar, continuei voltando.

Site de NA: “A nossa experiência com a adicção é que, quando aceitamos que ela é uma doença sobre a qual somos impotentes, tal aceitação fornece uma base para a recuperação através dos Doze Passos. A quantidade de membros de NA vivendo livres da adicção activa mostra que esta filosofia tem funcionado para nós”. [http://www.na-pt.org/recurso/adicao1.php]

Bill (William Griffith Wilson): “A aceitação e a fé são capazes de produzir cem por cento de sobriedade. De fato, elas geralmente conseguem; e assim deve ser, caso contrário, não poderíamos viver. Mas a partir do momento em que transferimos essas atitudes para nossos problemas emocionais, descobrimos que só é possível obter resultados relativos. Ninguém pode por exemplo, se livrar completamente do medo, da raiva e do orgulho. Conseqüentemente, nesta vida não atingiremos uma total humildade nem amor. Assim, vamos ter que nos conformar, com referência à maioria de nossos problemas, pois um progresso muito gradual, às vezes é interrompido por grandes retrocessos. Nossa antiga atitude de “tudo ou nada” terá que ser abandonada”. [NA OPINIÃO DO BILL 6, Tudo ou nada? Grapevine de março de 1962]

Melody Beattie: “O que precisamos para nos entregar e para deixar correr? De nosso passado, presente e futuro. De nossa raiva, ressentimentos, medos, esperanças e sonhos. De nossos fracassos, sucessos, ódio, amor e desejos. Deixamos livres nossas urgências, nossos desejos, tristezas e alegrias. Deixamos livres nossas antigas mensagens, nossas novas mensagens, nossos defeitos de caráter e nossas qualidades. Deixamos livres as pessoas, as coisas e, às vezes, à nós mesmos. Precisamos deixar livres as mudanças, mudando; a natureza cíclica do amor, recuperando-se; e a própria vida”. [Livro Para além da codependência, página 130]

Site de JA: “Hoje, tentarei aceitar menos do que achava ser possível, ficando disposto não somente a aceitar, mas também a apreciar. Hoje, não vou esperar demasiado de alguém – muito menos de mim. Vou tentar lembrar que a satisfação vem de aceitar graciosamente as coisas boas que recebemos, e não ficar furioso com a vida porque ela não é melhor. Já entendi a diferença entre resignação e aceitação realista”? [https://sites.google.com/site/jaumdiadecadavez/julho]

Robin Norwood: “É a aceitação do outro exatamente como realmente ele é que permite a ele mudar se assim desejar”. [Livro Meditações diárias…, 17 de outubro]

Site de AA: “A aceitação libera a iniciativa, aliviando-a das “cargas impossíveis”, transferindo o foco da ação para o “possível”. A ACEITAÇÃO é um ato do LIVRE ARBÍTRIO, mas, para ser eficaz, requer a CORAGEM moral de se persistir apesar do problema imutável. A aceitação liberta o aceitante, rompendo-lhe as cadeias da autopiedade. Uma vez que aceitamos o que não pode ser modificado, ficamos livres emocionalmente e psicologicamente para nos empenhar em novas atividades. Foi dito que uma mente imatura procura um mundo idealístico. Queiramos ou não, precisamos encarar o mundo da realidade e aceitar a vida tal qual ela é, com todas as suas crueldades e inconsistências”. [http://www.aa.org.br/serenidade]

Site de CCA: “O que você VAI encontrar nas reuniões é o seguinte: Aceitação de você como você é agora, como você era, como você vai estar”. [http://www.comedorescompulsivosrs.com.br/como-e-uma-reuniao]

Patrick Carnes: “Quando chega a aceitação final e o dependente sente que é vulnerável, humano, comum, igual aos outros, pode iniciar-se uma mudança notável. Como parte da aceitação, os dependentes precisam admitir claramente a extensão do comportamento compulsivo. A consciência da dependência irá se expandindo e aprofundando por muitos anos, mas nesse primeiro estágio é importante que eles percebam as linhas gerais do comportamento e saibam que a compulsão não atua apenas nisso. Precisam entender que ela envolve crenças, atitudes e pensamentos distorcidos que preservam a negação e a ilusão. Com essa aceitação crescente, os dependentes entram na fase de reparação”. [Livro Isto não é amor, página 198]

Entrei em uma sala de doze passos, aos 33 anos de idade, muito mal e com muita vergonha. Celebro agora meus 37 anos de vida tendo com resultado dos 4 anos de recuperação: a conclusão de duas graduações e ainda fiz outros cursos relevantes, incluindo um mestrado. Expandi minha atuação no meu emprego (eu quase o havia perdido). Adotei o budismo, vegetarianismo e ateísmo, algo realmente radical para quem eu costumava ser. Escrevi uns oito e-books além de poemas, músicas, ter 4 artigos acadêmicos publicados e blogs. Esse próprio blog, em seis meses, já ultrapassou 20 mil visualizações vindas de países de todo o mundo. Se comparo os 4 anos de recuperação atuais com meus 33 anos de vida anterior, parece que havia só um nada absoluto por mais de três décadas. Hoje frequento menos as irmandades anônimas mas permaneço na terapia individual regular. Mas foi somente há pouco mais seis meses que tive um sentimento e aceitei tudo o que havia vivido COM ALEGRIA. Em meus passos, já não acredito que a aceitação conduza até a serenidade mas que aceitação é a própria serenidade. Se a “aceitação” parece impossível para você, do fundo do coração, só posso lhe dizer que ainda assim ela é possível de ser alcançada.

Sexto Passo – Junho

Sexto Passo do programa de recuperação de AA –  “6. Prontificamo-nos inteiramente a deixar que Deus removesse todos esses defeitos de caráter”.

O Sexto Passo se assemelha ao Segundo Passo por ambos serem decisões de fé. Se no 2º Passo entregamos nossas decisões a um Poder Superior a nós mesmos, no 6º Passo reconhecemos nossas limitações em agir sobre nosso próprio comportamento e pedimos a um Poder Superior que aja sobre nós:

  • Pois aprendemos pela observação de nossa situação atual o quanto nossas ações ”conscientes” do passado e presente nos conduziram aos problemas com os quais temos agora que lidar.
  • Pois muitos daqueles que nos aconselharam (família, amigos, conceitos culturais, ditados populares, livros…) não nos conduziram ao sucesso esperado.
  • Pois defeitos de caráter normalmente são muito óbvios quando observados nas outras pessoas – e mais obviamente ainda se não possuímos nenhum tipo de laço com elas – mas totalmente invisíveis em nós mesmos. Lembra-se do Quarto Passo?

No Primeiro Passo admitimos precisar de ajuda para tornar nossas vidas controláveis. No Segundo Passo assumimos em nome de nossa recuperação espiritual  a crença em um PS. No Terceiro Passo declaramos nossa intenção ativa em entregar nossas vidas e vontades a esse PS. No Sexto Passo, assim como no 2º, enfatizamos que as origens de tal necessidade precisam ser renovadas em uma fonte além de nossa compreensão atual ou convencional para que consigamos finalmente obter resultados diferentes (e positivos) de nossas ações em nossa rotina. Precisamos (re)aprender a viver com a ajuda de um PS seja ele qual for.

Essa nova abordagem de buscar orientações ao nosso sentido de viver baseado em serenidade requer muito de nossa aceitação do porquê o Programa de Anônimos ser organizado em diversos passos. Aceitação porque certamente ao longo da vida desejamos muito para nós que nos foi tirado ou nem sequer realizado. Provavelmente estamos sentindo vergonha e com uma grande pressa em reverter nossa realidade atual. Mas assim como o evidenciado pelo 4º Passo de que grandes questões em nossa vida dependeram talvez de décadas de nossas ações ou opções igualmente nossa franca recuperação também dependerá de nossa perseverança em gerar novas ações positivas que se desdobrem no tempo. Algumas pessoas espiritualizadas chamam isso de encerrar o samsara (ciclo de sofrimento) pela interrupção do karma (ações negativas). Faz sentido a analogia.

Tal empreitada irá exigir de nós tempo e perseverança em busca dessa nova vida que ainda não conhecemos mas sabemos que podemos alcançar se nos dedicarmos a isso: o Programa de Anônimos nos prometeu. Os companheiros de recuperação nos contam suas experiências, desafios e sucessos nas partilhas dentro das salas de irmandades a cada reunião frequentada. As literaturas endossadas nos esclarecem. Nós mesmos já passamos por muitos Passos até chegarmos aqui; e temos decidido prosseguir porque tem valido a pena.

Mostramos que estamos juntos com um Poder Superior e esse Poder Superior mostra que está conosco!

QUINTO PASSO – MAIO

Quinto Passo do programa de recuperação de AA –  “5. Admitimos perante Deus, perante nós mesmos e perante outro ser humano, a natureza exata de nossas falhas”.

Depois do quarto passo, em que fixamos num papel nossa história de vida que nos conduziu à nossa situação atual que necessitou o auxílio de um programa de recuperação (nesse caso, baseado em AA como célula-mãe) seguimos com nosso processo de reprogramação pessoal com foco na serenidade atuando com o Quinto Passo.

No 5º passo, já cientes de nosso próprio papel e responsabilidade sobre nossa biografia, nos direcionamos à tarefa de aprender a conviver com aquele passado de forma digna e harmoniosa. E como fazemos isso? Conversando sobre nossas descobertas registradas no Quarto Passo com uma outra pessoa.

Falar quase sempre é libertador. É comum falarmos com líderes espirituais sobre o que nos aflige. Falamos quando partilhamos nas reuniões de salas anônimas. Falamos quando desabafamos pelo telefone com um amigo de confiança ou familiar em um momento difícil. Falamos nas psicoterapias com profissionais de saúde especializados. Se falamos espontaneamente ou em consultas, não importa, conhecemos e sentimos uma certa melhora seja no curto ou longo prazo. Falar acalma.

Porém, conversar sobre assuntos pessoais delicados requer cautela para que recebamos a serenidade e cura interior almejada ao invés de criarmos ainda mais problemas a serem somados como vergonha, arrependimento ou exposição à chantagens. Por isso, os diversos tipos de Programas de Doze Passos ofertam algumas sugestões de modo geral:

  • Ler seu quarto passo para um padrinho ou madrinha de programação com quem já conviva e confie.
  • Ler com um@ companheir@ de programação em um quinto passo em dupla (prática também conhecida como co-apadrinhamento).
  • Ler para um psicoterapeuta.
  • Ler para um líder religioso de sua escolha que tradicionalmente já possua tal prática.
  • NUNCA LER para familiares e amigos de fora da programação anônima para evitar os chamados “retornos” (pitacos, palpites, opiniões, censuras) em uma hora tão vulnerável para quem lê o 4º passo que possa vir a se sentir constrangid@ e pense em desistir de prosseguir com a reabilitação (seja ela química, emocional ou comportamental).
  • NUNCA LER para cônjuges, namorad@s, casos ou amantes pois o amor pode um dia acabar, o amor pode ser unilateral, o amor pode talvez já ter até saído de cena sem que o confessor tenha notado em seu processo de confusão de vida momentâneo e deixar em mãos alheias uma artilharia emocional fatal a ser utilizada contra o confessor em futuros e inesperados escândalos familiares ou públicos além de poder ser levado à justiça contra pedidos de guarda de filhos, por exemplo. APRENDER A SE POUPAR FAZ PARTE DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO. Além do mais, confessar segredos íntimos para alguém na esperança de reforço ou criação de laços afetivos constitui comportamento manipulador o que está longe de ser uma atitude amorosa com @ outr@.

Bem, escrevemos o Quarto Passo. Escolhemos alguém de confiança que nos ouça abertamente. Elegemos um dia e hora para realizar nosso Quinto Passo de recuperação – seja ela qual for. Então que tipo de resultado talvez encontremos de nossa ação em relação ao Quinto Passo que talvez possa nos ajudar?

  • Ouvimos nós mesmos contando nossa própria história o que reafirma nossa responsabilização pelo surgimento dos problemas atuais e reforça a necessidade de que os atos de cura e reparação também partam de nós.
  • Encerra a estratégia comum de tentar sufocar o que nos aflige através da negação e do silêncio; o que alimenta as brasas de nossos problemas subconscientes que poderão emergir como ações de auto sabotagens às quais nos prejudicarão ainda mais. Encerra muito da ansiedade e comportamentos hipócritas que adotamos para agir em relação aos outros quando não estamos em paz com nós mesmos.
  • A velha estratégia do “guardar segredos para si”, em algum momento pode nos derrubar ao sermos emocionalmente fragilizados por alguma razão e desabafarmos inesperadamente com desconhecidos, com patrões ou colegas de trabalho ou pessoas que não partilham de um respeito sincero por nós e nos oferecem em momentos críticos um “ombro amigo” em troca da satisfação da própria curiosidade. Isso representa somar mais auto sabotagem contra nós mesmos agravando problemas pessoais com fofocas e críticas ao invés de saná-los. Quando esse tipo de coisa acontece é quase como se a pessoa “vomitasse” um quinto passo de um quarto passo não escrito nos ouvidos de qualquer oportunista. O resultado só pode ser um desastre! Melhor encarar a programação honesta e seriamente e aprender a gerir os próprios medos e realizar ações capazes de equilibrar os sentimentos de uma vez preservando sua imagem pessoal e melhorando a imagem social. Nossa autoestima depende de cuidados como esse também.
  • Se no Quarto Passo ficamos nus, no Quinto Passo nos olhamos de frente no espelho.
  • Em programação de doze passos nossos “espelhos” são os outros companheiros, daí a necessidade lógica da partilha com outra pessoa de confiança.

“O remédio sai pela boca e entra pelo ouvido” – frase popular em salas de doze passos.