Arquivo da tag: vicios

Hábitos, Compulsões e Vícios

Por Flávio Gikovate

Falta muito para que possamos dizer que conhecemos os detalhes do funcionamento do psiquismo humano. O que é fato é que uma boa parte das nossas ações parecem governadas por um “piloto automático”: em muitos casos, agimos de forma automática; e reagimos a determinadas situações sem que necessitemos pensar acerca do que fazer.

Os movimentos que fazemos ao dirigir o carro são todos sincronizados e não exigem reflexão, assim como as reações que temos diante de um problema inesperado no meio do percurso que estamos realizando. Muitas vezes só nos conscientizamos de algo depois do ocorrido, como se, diante do susto, o piloto automático tivesse se desligado! Fazemos o mesmo ao escovar os dentes, ao nos movimentarmos durante o banho, nos enxugarmos, assim como em tantas outras condições que se repetem com regularidade em nossas vidas

Chamamos de hábitos aos comportamentos, não inatos, que se tornam repetitivos e fixos. Ao que tudo indica, eles se consolidam na nossa memória, criando um caminho sólido no sistema nervoso, de modo que, em cada dada situação, respondemos do modo que foi padronizado.

Uma vez criado um hábito, que é um tipo de reflexo condicionado que se estabelece em função das repetições, fica muito difícil desfazê-lo. Temos facilidade para associar (condicionar) e enorme dificuldade para dissociar, desfazer essas conexões cerebrais que se fixam com vigor.

Se um dia nos habituamos a comer depressa, temos enorme dificuldade de reaprender e passar a comer mais devagar, mastigando bem os alimentos. Se um dia nos habituamos a cruzar as pernas ao sentar, o movimento nos chega automaticamente mesmo quando já sabemos da necessidade de nos livrarmos dele por força de algum problema de postura. Precisamos de atenção redobrada, de enorme empenho constante e prolongado, para conseguirmos nos livrar de nossos condicionamentos.

As compulsões correspondem a hábitos específicos que se perpetuam apesar de terem um caráter frequentemente inconveniente ou mesmo nocivo. São exemplos de compulsões o ato de roer as unhas, os variados tipos de automutilação, como por exemplo se ferir com as próprias unhas, assim como os transtornos obsessivo-compulsivos (TOC).

O que os caracteriza, a meu ver, é uma propriedade muitas vezes difícil de ser detectada, qual seja, a de que provocam uma redução de ansiedade: se alguém está muito nervoso e desenvolveu a compulsão de roer as unhas, será nessa hora que o fará, posto que isso provocará uma melhora do estado emocional.

Em uma frase: as compulsões provocam um tipo especial de prazer, chamado por Schopenhauer de “prazer negativo”, que se caracteriza pela existência de um desconforto inicial que se atenua através da realização do ato compulsivo; ele provoca um tipo de prazer parecido com o que nós sentimos quando, com frio, nos agasalhamos, com sede, bebemos água…

Os rituais repetitivos do portador de TOC aliviam uma ansiedade que só se esvai por esse meio. A compulsão por arrancar os cabelos (tricotilomania) só se perpetua por ter se transformado em “remédio” para a ansiedade que acompanha aquela pessoa em determinadas situações.

As compulsões alimentares ligadas à ingestão exagerada de comida (ou de certos doces) seguem o mesmo trajeto: apaziguam a sensação de desamparo que nos maltrata em determinados momentos do dia ou da semana.

Aquelas ligadas à recusa em se alimentar (anorexia) parecem relacionadas inicialmente ao prazer de se ver magra, que depois se transforma em algo mais complicado, onde o ato de comer aparece como a quebra de um ritual que alivia certas tensões, além de fazer bem à vaidade.

As compulsões alimentares são mais complexas porque, além do alívio da sensação dolorosa de desamparo, trazem consigo também um “prazer positivo”, sensação agradável que não depende da presença de um desconforto prévio.

O doce ou o chocolate são experiências agradáveis mesmo na ausência de qualquer desconforto! Esse tipo de compulsão já tem um pé naquilo que se chama de vício.

O vício costuma estar ligado a um fortalecimento ainda maior das conexões neuronais típicas dos hábitos, pois, no cérebro, se estabelecem outros trajetos típicos da dependência química.

Desnecessário dizer das dificuldades das pessoas para se livrar deles, posto que, ao menos numa primeira fase, provocam enorme prazer, sendo que os efeitos nocivos só costumam aparecer depois de muito tempo.

Nem todos os vícios implicam dependência química, porém todos têm a ver com a presença de um prazer positivo, um bem-estar inicial: consumismo desvairado, excesso de trabalho… É preciso cautela, pois não é difícil nos vermos enredados em algumas dessas situações. E, para sairmos, necessitamos, na maior parte das vezes, de uma força hercúlea!

Original: http://flaviogikovate.com.br/habitos-compulsoes-e-vicios/

Anúncios

“Vício em sexo não existe…”

“…você que é recalcad@!” #sqn

Fulan@ gosta mais de sexo do que a média, é uma característica pessoal ser mais sensual que a maioria das outras pessoas. Outr@ Fulan@ gosta mais de algo que lhe dê um barato do que a média, é uma característica pessoal curtir mais a adrenalina que a maioria das outras pessoas.

Fulan@ deu azar e se casou que alguém que não gosta de transar (enlouquecidamente e perdoando traições) e por isso precisa de umas escapadinhas mais compreensivas. Outr@ Fulan@ deu azar e se casou que alguém que não gosta de curtir um barato (o dia inteiro, todos os dias) e por isso precisa de umas escapadinhas mais compreensivas.

Para sustentar a adicção em sexo, Fulan@ passou a mentir compulsivamente. Para sustentar a adicção em tóxicos, Outr@ Fulan@ passou a mentir compulsivamente.

Fulan@ arrumou um emprego muito peculiar que faz com que trabalhe em horários alternativos ou viaje bastante passando longos períodos fora de casa o que justifica suas variadas aventuras sexuais justificadas pela solidão que seu trabalho lhe impõe. Outr@ Fulan@ arrumou um emprego muito peculiar que faz com que trabalhe em horários alternativos ou viaje bastante passando longos períodos fora de casa o que justifica suas variadas compras e uso de novas substâncias  justificadas pela solidão que seu trabalho lhe impõe.

Fulan@ se enche de ressentimento e raiva a cada pedido familiar para que seja alguém com mais ajustamento diante da vida. Outr@ Fulan@ se enche de ressentimento e raiva a cada pedido familiar para que seja alguém com mais ajustamento diante da vida.

Fulan@ se apaixonova tanto e por outro lado suas aventuras extra-relacionamentos lhe tomavam tanto tempo e traziam tantos transtornos à sua rotina pessoal que acabou por abandonar os estudos sem retomar seu desenvolvimento. Outr@ Fulan@ usava de tantas substâncias que suas aventuras químicas lhe tomaram tanto tempo e trouxeram tantos transtornos à sua rotina pessoal que acabou por abandonar os estudos sem retomar seu desenvolvimento. 

Fulan@, colocou notificações ativas de seus apps de sexo/encontros/relacionamentos em seu smartphone para não perder uma! Outr@ Fulan@, colocou ringtones específicos de seus fornecedores em seu smartphone para não perder uma!

Fulan@ gosta muito de seu filho mas passa tanto tempo fora de casa em envolvimento em romances, flertes e casos que mal o vê ou contribui materialmente para seu desenvolvimento. Outr@ Fulan@ gosta muito de seu filho mas passa tanto tempo fora de casa em envolvimento em raves, baladas ou simplesmente chapado que mal o vê ou contribui materialmente para seu desenvolvimento.

Otários trabalham para viver, mas Fulan@ trabalha para transar enquanto que Outr@ Fulan@ trabalha pra comprar “um negocinho”.

Fulan@ viu o amor de seus familiares ser gradualmente substituído por um Triângulo de Karpman infernal que somente os afasta cada vez mais levando a conviver ainda mais intensamente o sexo. Outr@ Fulan@ viu o amor de seus familiares ser gradualmente substituído por um Triângulo de Karpman infernal que somente os afasta cada vez mais levando a conviver ainda mais intensamente as drogas.

Fulan@, para arrumar um emprego melhor, se mudou para uma cidade distante longe das críticas de seus familiares a respeito de sua conduta sexual exótica. Outr@ Fulan@, para arrumar um emprego melhor, se mudou para uma cidade distante longe das críticas de seus familiares a respeito de sua conduta de uso de tóxicos exótica.

Fulan@ até que tenta ter uma vida social e cultural, mas tudo é tão tedioso! Outr@ Fulan@ até que tenta ter uma vida social e cultural, mas tudo é tão tedioso!

Fulan@ descobriu que seu cargo profissional valorizado é um excelente fator de sedução entre outros funcionários e pessoas que circulam ao redor da empresa. Outr@ Fulan@ descobriu que seu cargo profissional valorizado é um excelente fator de livramento de sanções penais mais comuns a outras pessoas vivendo sua mesma situação.

Fulan@ quando fica algum tempo sem transar começar a sentir umas sensações tão estranhas que pensa estar acontecendo algo grave consigo. Outr@ Fulan@ quando fica algum tempo sem “usar” começar a sentir umas sensações tão estranhas que pensa estar acontecendo algo grave consigo.

Fulan@, vive intensamente o sexo em sua vida pessoal e seus passatempos incluem apps de encontros e pornografia e prostituição e outras formas de subculturas sexuais super sofisticadas das quais se orgulha muito. Acredita ser um privilégio da vida ser “hedonista” ao contrário do resto das pessoas que não passam de uns otários. Outr@ Fulan@, vive intensamente os narcóticos em sua vida pessoal e seus passatempos incluem bate-papo com outros usuários e idas a bocas de fumo e compras com “aviões” que lhe trazem produtos de morros ou do exterior e outras formas de subculturas da “nóia” super sofisticadas das quais se orgulha muito. Acredita ser um privilégio da vida ser “hedonista” ao contrário do resto das pessoas que não passam de uns otários.

Fulan@ já precisou de ajuda médica ou usar remédios por conta de seu sexo. Outr@ Fulan@ já precisou de ajuda médica ou de internação por conta de seu vício.

Fulan@, quando termina um relacionamento ou não consegue o que quer, retorna fúria e agressividade principalmente contra sua família! Outr@ Fulan@, quando acaba o bagulho ou não consegue o que quer, retorna fúria e agressividade principalmente contra sua família!

Fulan@ curte músicas/filmes/séries que só falam de sacanagem. Outr@ Fulan@ curte músicas/filmes/séries que poderiam ser um caso de Justiça.

Fulana é a esposa de Fulano. Para garantir a fidelidade de Fulano exige com ele sexo diário, compra revistas femininas com “dicas de novidades” que às vezes lhe parecem toscas mas que sempre não custam experimentar, faz compras regulares em sex-shops, praticamente não convive com amigos e família porque julga que o sexo com o marido deve ser mais prioritário que cafonices de calendário, possui uma gaveta de lingerie que custaram mais caro que as roupas que costuma ir trabalhar, parou de estudar e de trabalhar para ser uma esposa mais dedicada e sempre estar disponível para o romance com ele, vasculha secretamente a vida eletrônica de fulano para evitar interferências de “outras” e tem certeza de que se um dia Fulano lhe abandonar será seu fim. Quando acha que tem alguma outra mulher seduzindo seu marido percebe que com certeza ainda não tentou de tudo com ele – briga horrores e então se vinga com outro homem ou agenda um menáge em uma casa de swing! Outra Fulana é a esposa de Outro Fulano. Para garantir a fidelidade de Outro Fulano exige “usar” só com ele, procura pela internet “dicas de novidades” que às vezes lhe parecem toscas mas que sempre não custam experimentar, faz compras regulares de narcóticos para adiantar o lado dele, praticamente não convive com amigos e família porque julga que o “uso” com o marido deve ser mais prioritário que cafonices de calendário, possui uma gaveta de bagulhos que custaram mais caro que as roupas que costuma ir trabalhar, parou de estudar e de trabalhar para ser uma esposa mais dedicada e sempre estar disponível para o barato com ele, vasculha secretamente a vida eletrônica de fulano para evitar interferências de “outras” e tem certeza de que se um dia Outr@ Fulan@ lhe abandonar será seu fim. Quando acha que tem alguma outra mulher seduzindo seu marido percebe que com certeza ainda não tentou de tudo com ele – briga horrores e então agenda um mochilão pra experimentar o Santo Daime ou vai pra  Holanda!

As horas sem sexo são cinzentas para Fulan@. As horas sem drogas são cinzentas para Outr@ Fulan@. Só os otários ficam falando dessa tal alegria de viver.

“Devido aos Doze Passos, não consigo mais manter as velhas formas de me enganar.” Meditação Diária de Narcóticos Anônimos, 06 de março, Basic Text, p. 176