Arquivo da tag: voluntario

Prestar Serviço e os Conceitos

“Bons líderes de serviço, bem como métodos sólidos e adequados para a sua escolha são, em todos os níveis, indispensáveis para o nosso funcionamento e segurança no futuro”.
9º Conceito de AA

Como modelos de conceitos para grupos anônimos brasileiros disponíveis na internet hoje encontramos dois modelos bastante distintos: os Conceitos de Alcoólicos Anônimos que apresenta a complexidade de uma estrutura que expandiu mundialmente de uma forma muito ampla e os Conceitos de MADA RJ que ainda estão em uma fase inicial de elaboração.

Explica-se que essas diferenças, inclusive da maioria das irmandades anônimas nem sequer possuírem uniformemente todo o conjunto de normativas e ferramentas de recuperação, não devem ser confundidas como “desorganização” das mesmas; mas explicadas que alguns grupos são muito mais recentes em relação à célula-mãe que é AA – com seus mais de 80 anos de atuação – e também pelo respeito à 4ª Tradição sobre a autonomia de cada grupo em se auto-organizar a seu tempo e critérios.

Ilustraremos com os Conceitos de MADA RJ por sua simplicidade em relação à definição a respeito da prestação de serviço nos grupos.

OS DOZE CONCEITOS DE MADA
01. Para cumprir o propósito primordial da nossa Irmandade, os Grupos de MADA se juntaram para criar uma estrutura que desenvolve, coordena e mantém serviços por MADA como um todo.
02. A responsabilidade final e autoridade sobre os serviços em MADA permanecem com os Grupos de MADA.
03. Os Grupos de MADA delegam à estrutura de serviço a autoridade necessária para cumprir as responsabilidades a ela atribuídas.
04. A liderança efetiva é altamente valorizada em MADA. As qualidades de liderança devem ser cuidadosamente consideradas ao selecionar servidoras de confiança.
05. Para cada responsabilidade atribuída à estrutura de serviço, deve ser claramente definido um único ponto de decisão e prestação de contas.
06. A consciência coletiva é o meio espiritual, pelo qual convidamos um Deus amantíssimo a influenciar nossas decisões.
07. Todos os membros de um corpo de serviço arcam com responsabilidade substancial pelas decisões deste corpo e devem poder participar plenamente no seu processo de tomada de decisão.
08. A nossa estrutura de serviço depende da integridade e eficiência de nossas comunicações.
09. Todos os elementos da nossa estrutura de serviço têm a responsabilidade de considerar cuidadosamente todos os pontos de vista nos seus processos de tomada de decisão.
10. Qualquer membro de um corpo de serviço pode requerer deste corpo a retratação por ofensa pessoal, sem medo de represália.
11. Os recursos de MADA devem ser usados para promover nosso propósito primordial e devem ser administrados com responsabilidade.
12. De acordo com a natureza espiritual de MADA nossa estrutura deve ser sempre de serviço, nunca de governo.

“Como indivíduos e como irmandade, vamos certamente sofrer se deixarmos toda a tarefa do planejamento para o amanhã, nas mãos da Providência. A verdadeira Providência Divina foi dar a nós, seres humanos, uma considerável capacidade de antevisão e Ela evidentemente espera que a usemos. Naturalmente, podemos muitas vezes cometer erros de cálculo quanto ao futuro, no todo ou em parte, mas o pior é recusar-se a pensar nele.” Doze Conceitos para Serviços Mundiais, pág. 44

Prestar Serviço e as Tradições

 

NA OPINIÃO DO BILL 155, Construído por um e por muitos, “Damos graças a nosso Pai Celestial que, através de tantos amigos e através de tantos meios e canais tem nos permitido construir esse maravilhoso edifício do espírito, no qual estamos agora residindo – essa catedral, cujos fundamentos já repousam nos quatro cantos do mundo.

Em sua enorme edificação inscrevemos nossos Doze Passos de recuperação. Nas paredes laterais, os esteios das Tradições de A.A. foram colocados para nos manter em unidade até quando Deus quiser. Ansiosos corações e mãos levantaram o espiral de nossa catedral em seu devido lugar. Esse espiral leva o nome de Serviço. Que ele possa sempre estar apontado em direção a Deus”.

Quando chegamos a uma sala de reunião em que se pratica dos Doze Passos de forma anônima, logo vamos tomando conhecimento dos “Passos” em si. Porém, em dado momento é falado sobre a 7ª Tradição. O que é isso? podemos nos perguntar. Logo após, ouvimos falar sobre a 12ª Tradição? Além de Passos também tem essa Tradição? é um possível pensamento.

Nos Doze Passos conhecemos uma maneira estruturada e sucessiva de se buscar a serenidade espiritual – em nossas vidas, relacionamentos e circunstâncias. As Doze Tradições nos apresentarão uma forma harmoniosa de sustentar os relacionamentos dentro do grupo visando e viabilizando a sobrevivência do próprio grupo. Se os membros de uma irmandade anônima irão prestar serviço voluntariamente é necessário que exista uma diretriz elementar sobre a maneira como essa prestação de serviço se desenvolverá. Afinal, são pessoas de origens diferentes, até então desconhecidas, vivendo algum sofrimento pessoal interagindo por um propósito específico da manutenção funcional do grupo. É preciso uma norma de conduta que simplifique o processo e é para isso que as Tradições foram pensadas.

São elas:

AS DOZE TRADIÇÕES DE ALCOÓLICOS ANÔNIMOS 
 1. Nosso bem-estar comum deve estar em primeiro lugar; a recuperação individual depende da unidade de A.A.
2. Para nosso propósito de grupo, há somente uma autoridade suprema, um Deus amantíssimo que Se manifesta em nossa consciência grupo. Nossos líderes são apenas servidores de confiança; não governam.
3. O único requisito para ser membro de A.A é o desejo de parar de beber.
4. Cada Grupo deve ser autônomo, salvo em assuntos que digam respeito a outros Grupos ou a A.A. em seu conjunto.
5. Cada Grupo é animado por um único propósito primordial – o de transmitir sua mensagem ao alcoólico que ainda sofre.
6. Nenhum Grupo de A.A. deverá jamais emprestar o nome de A.A. endossar ou financiar qualquer sociedade ou empreendimento alheio à Irmandade, a fim de que problemas de dinheiro, propriedade e prestígio não nos afastem do nosso objetivo primordial.
7. Todos os Grupos de A.A. deverão ser totalmente autossuficientes, rejeitando quaisquer doações de fora.
8. Alcoólicos Anônimos deverá manter-se sempre não-profissional, embora nossos centros de serviços possam contratar funcionários especializados.
9. A.A. como tal jamais deverá ser organizado podemos, porém, criar juntas ou comitês de serviço diretamente responsáveis perante aqueles a quem prestam serviços.
10. Alcoólicos Anônimos não opina sobre questões que lhe são alheias; portanto, A.A. jamais deverá aparecer em controvérsias públicas.
11. Nossa política de relações públicas baseiam-se na atração em vez da promoção; precisamos sempre manter o anonimato pessoal na imprensa, no rádio e em filmes.
12. O anonimato é o alicerce espiritual de todas as nossas Tradições, lembrando-nos sempre da necessidade de colocar os princípios acima das personalidades.
 (Direitos autorais de The A.A. Grapevine, Inc; como publicado em aa.org.br)
Observando a união e continuidade do grupo acima dos interesses individuais. Esclarecendo preferência pela organização interna baseada na prestação de serviço voluntário temporariamente alternado e a tomada de decisão baseada em votações que permitam que o Poder Superior se manifeste. Isentando de regras de admissão e controle de seus membros e assim viabilizando a permanência de seus participantes. Esclarecendo a autonomia dos grupos e seu único papel de prestar mútua ajuda ao participante que ainda sofre. Solicitando doações exclusivamente entre seus membros e – ainda assim – limitadas às possibilidades de cada um. Determinando o anonimato como alicerce espiritual do programa e de conduta geral.
A existência e respeito às Tradições garantem a perpetuação de nosso Programa. As Doze tradições talvez não se assemelhem a uma ferramenta de recuperação, mas são elas o fundamento para que tudo o mais ocorra apropriadamente: para o grupo, para a reunião, para cada um; em todas 24 horas.
“Não é somente a alguns que devemos o notável desenvolvimento de nossa unidade e de nossa capacidade de levar a mensagem de A.A. a todos os lugares. Devemos a muitos; na verdade, é ao trabalho de todos nós que devemos essas maravilhosas bênçãos”.
1 – A.A. Atinge a Maioridade, pág. 209, 2 – Palestra de 1959

Prestar Serviço e os Passos

24 de JANEIRO, CONSEGUINDO SE ENVOLVER, É preciso ação e ainda mais ação. “A fé sem obras é morta.”… Nossa única meta é sermos úteis.
Quando participamos de nossa primeira reunião de programa de Doze Passos logo ao final do encontro recebemos nosso primeiro convite de prestação de serviço. ”Ao final da reunião solicitamos que nos ajudem a arrumar a sala.” Quando somos informados de que o anonimato é o alicerce espiritual de nossas atividades, também estamos indiretamente ouvindo um chamado à prestação de serviços em sala; pois sendo as atividades internas dos grupos de mútua ajuda realizadas voluntariamente por seus membros fica mais assegurado de que tudo o que foi dito e ouvido ali que assim permaneça.

E de que se trata exatamente a prestação de serviços dentro de irmandades anônimas? Resumidamente, qualquer atividade que viabilize a existência do grupo e a realização de cada reunião. Desde o ato de pegar uma chave que abra a porta do local ou fazer o café para todos os participantes ou distribuir cartazes em murais de espaços de grande circulação; enfim, são muitas as maneiras de se trabalhar por uma determinada irmandade anônima, sendo as mais comuns:

  • Durante a reunião: Providenciar alimentos e bebidas para a hora do intervalo, coordenar a reunião, atuar como secretário ou tesoureiro, arrumar a sala antes e depois do encontro do grupo, manter uma comunicação com os administradores do local onde a sala estiver instalada. Informar notícias relacionadas ao grupo durante o encontro. Se dispor como “Abordagem” para atender pessoas que inesperadamente apareçam à porta durante a reunião.
  • No intergrupo (ou equivalente): Produção dos materiais utilizados nas reuniões como impressão de materiais em gráficas e elaboração de artigos artesanais para eventos. Participação nos comitês de literatura, de eventos, de internet, de informação ao público, de acessórios e outros. Ir ao evento de Intergrupo como Representante de Grupo (RG).
  • Relacionamentos com outros participantes: Ser madrinha ou padrinho de recuperação de alguém.
  • Divulgação externa: Visitar outros espaços e eventos levando a mensagem do Grupo. Distribuir folhetos e afixar cartazes.

Bem, uma vez que as formas de se prestar serviços voluntariamente dentro de salas anônimas são tantas mas porque o participante iria fazê-lo? Em se tratando dos Doze Passos de AA, cujo foco seria uma maneira estruturada de recuperação de um estado espiritual caótico para uma vida equilibrada e afastada dos problemas que precipitaram a ida até a sala – sejam eles quais forem – a etapa que indica essa prática de prestação de serviço como desejável é o décimo segundo passo.

12º Passo – Tendo experimentado um despertar espiritual, graças a estes Passos, procuramos transmitir esta mensagem aos alcoólicos e praticar estes princípios em todas as nossas atividades.

A prestação de serviço voluntário em grupos baseados no programa de Alcoólicos Anônimos possui muitas razões que asseguram o sucesso dos resultados das próprias irmandades assim como benefícios que se revertem aos próprios servidores.

  • A prestação de serviço voluntária assegura a existência do próprio grupo de maneira anônima, gratuita e com qualidade.
  • A prestação de serviço voluntária assegura o sucesso de seus resultados por ofertar um espaço em que aquele que se encontra em recuperação possa trabalhar em um espaço reduzido, servindo como um verdadeiro ambiente de treino para queles que se afastaram de – ou não chegaram a atuar em – atividades profissionais ao longo da vida; ocupando seu tempo ocioso e viabilizando que seus sentimentos de capacidade e pertencimento aflorem. Com isso, as salas anônimas contam gratuitamente com prestadores de serviços em processo de equilíbrio espiritual interessados na manutenção plena das mesmas, criando uma atmosfera saudável para todos os envolvidos.
  • A prestação de serviço voluntária assegura benefícios que se revertem aos próprios servidores por permitir o permanente contato ativo entre aqueles que estão começando o programa com participantes mais experientes proporcionando-lhes “espelhos de recuperação”. Em contrapartida, os participantes que já estão há algum tempo praticando o programa de 12 passos se mantém em constante contato com os recém-chegados; o que os relembra como eles próprios agiam e pensavam quando chegaram ao grupo e o que não desejam mais a si.

A prestação de serviço em Doze Passos constitui uma base vital do sucesso e continuidade do Programa; pois os resultados positivos alcançados individualmente são revertidos em benefícios coletivos.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.107 ou p.116, Entendo que o serviço é uma parte vital da recuperação mas muitas vezes imagino, “O que eu posso fazer?” Simplesmente começar com o que tenho hoje. Olho em volta para ver onde há uma necessidade. Os cinzeiros estão cheios? Tenho mãos e pés para limpá-los? Subitamente, estou envolvido! O melhor orador pode fazer o pior café; o membro que é o melhor com os novatos pode ser incapaz de ler; o único disposto a fazer a limpeza pode fazer a maior confusão com a conta do banco – mas, cada uma destas pessoas e trabalhos são essenciais para um Grupo ativo. O milagre do serviço é este: quando uso o que tenho, descubro que há mais disponível para mim do que percebia antes.